sexta-feira, 28 de março de 2014

Quem tem sorte é solteiro!

Ser solteiro é ótimo, é lindo e divertido, mas existe um momento que é preciso dar adeus a essa vida. Tipo agora. 

Existe um momento que você encontrará uma pessoa que lhe fará entender porque andou sozinho até ali, ou, se preferir explicar, não sozinho e sim com participações especiais. 

Chegará um momento que será preciso deixar o medo de amar e ser amado de lado. Ser solteiro também dói, é treta! Quantas vezes você não se sentiu sozinho? Desejou ter alguém pra ver um filminho debaixo do edredom? Pra sair pra jantar ou ir ao cinema? Pra andar de mãos dadas ou pelo menos dar uma ligadinha antes de dormir? Pra ver o sol nascer ou se por? Nesse exato momento você relembrou os motivos que te levou a solteirice, não é?


Uma das coisas mais legais de estar solteiro, é que você está totalmente aberto a conhecer novas pessoas e fazer novas amizades. Você se torna amigo do segurança, barman, de alguns desafetos, do amigo do amigo da amiga, do primo da amiga da prima da minha vizinha, do pessoal do pedágio, taxista, dos vizinhos de praia, de alguns mineiros, cariocas, curitibanos, tanta gente que tu pensa que vai dominar esse mundão!



Ah, como é divertido, como é bom ter uma história pra contar a cada segunda feira nublada, mas é tão vazio, muita dessas pessoas deixam uma saudade enorme, passam pela sua vida e você nem sabe se vai ver de novo. Dá pra acreditar?


Quantos amores platônicos separados por quilômetros de distância, parecem que vivem em outro país, outro planeta, foram abduzidos e tem gente que nem acredita que eles existam. Que atire a primeira pedra o solteiro que não cansou de exibir felicidade?

Quem aqui nunca gritou aos sete ventos “antes só, do que mal acompanhado e amado”? Quem nunca perguntou um "contra quem?" quando aquela amiga veio contar que estava namorando? Ah, quem nunca reclamou de perder mais uma soldada? 

É meu amigo, é complicado treinar um time, dá trabalho, fazer novas contratações e apostas. A solteirice exige felicidade, bons drinques e festas. O mundo dos solteiros espera que você publique fotos em baladas, bebendo e sorrindo, que prove o quanto é feliz sozinho. Mas é isso mesmo, produção? 


Primeiramente, caros solteiros de plantão, time do bom, com jogadores treinados em cada posição, milimetricamente bem aparentes e desejados, parem de viver superficialmente, lembrem que não precisa provar nada para ninguém. 

E você aí, não tenha medo do “e se”, e se não der certo? Se ele não for o cara da minha vida? E se não valer nada? E se ficar careca? Não se prenda a tantas perguntas que só o tempo responderá e o mais importante, não sofra por antecipação. Não se prenda a uma vida por comodidade, por medo do não. 


Se tem uma coisa certa na vida, é que ser solteiro prepara seu coração para o que der e vier, e estar solteiro não significa que você não entenda nada sobre o amor, nem mesmo que você não tenha capacidade pra ser amado, ser solteiro é coisa de quem aprendeu que se for pra amar de verdade, que não seja qualquer pessoa. A solteirice preparou o seu coração, então se joga e vai ser amado.

Com Francieli Rech

quinta-feira, 13 de março de 2014

Não acredito.


Não acredito em pra sempre. Não acredito em Papai Noel. Não acredito em tudo que ouço, nem em tudo que vejo. Não acredito que protetor solar não sai na água, nem que celular dá câncer. Não acredito em perfeição, em espíritos, em quem não olha nos olhos. Não acredito em macumba, em gato preto, em passar em baixo da escada. Ih, nem pensar, não acredito!

Não acredito em loira do banheiro, nem em tudo que vejo. Não acredito em quem nunca diz não, em sapato novo que não dói o pé. Não acredito em "deixa comigo", talvez eu vá, chego em 5 minutos. Nem em estou saindo de casa, ele não estava com ninguém, não vi ele, ele até perguntou por você. Não acredito em nada que necessite de outra pessoa para se realizar. Definitivamente, não acredito. 

Passamos a vida toda sendo compelidos a acreditar em diversos contos culturais, querem fazer a gente acreditar em 567 dogmas e crenças, na metade da laranja, no coelho da páscoa, no chupa cabras, no fim do mundo, em emagrecimento em 30 dias e até nos homens. Ah para!

Acreditar é frustração. Acreditar é expectativa. Acreditar é sensibilidade. Acredito em sonhos, mas não em utopias. Acredito mesmo é na realidade, essa realidade meio dura que a gente vive, e que talvez seja real. Acredito é em mim, nas minhas certezas e nas minhas palavras, até porque, se eu não acreditar em mim, quem vai?