quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Quem nunca?

Quem nunca caiu do cavalo, pisou na merda, sentou no formigueiro? Quem nunca tropeçou no meio da rua, quebrou a cara, ouviu “eu te avisei”? Quem nunca abriu seu coração, a boca e os ouvidos? Acreditou demais nas pessoas, pagou um preço alto e se machucou na queda? 

Ela nunca foi do tipo de pessoa que esperava muito das outras, na maioria das vezes, ela nem esperava as outras. Nunca foi do tipo de depositar expectativas e levar aquela bagagem toda cheia de esperanças imaginárias. Ela era esperta, esperava na butuca o momento em que as pessoas a decepcionariam.Pessimismo? Não, realidade mesmo. 


Mas sabe qual é o problema? As pessoas esperam decepções, gritam para o mundo que, se der certo, pelo menos ela não esperava, já dando errado, ela já estaria vestida com sua armadura. Só que não é bem assim, nunca esperamos de corpo e alma isso de certas pessoas, nunca se espera isso de um amigo (amigo mesmo?). 

Pois, o fato dela considerar alguém seu amigo, não quer dizer que o sentimento é recíproco. Nessas e outras, ela encontrou amigos que até falaram por aí que não a conheciam e acabaram abraçados com a pessoa que ela mais amava, outros até pegaram uma carona no carro dela e no embalo levaram o amor de sua vida. 

É isso, aconteceu, foi o que ela ouviu de todos os "monstros" que passaram pela sua vida e por cima dos seus sentimentos.

O lado bom, é que, conhecemos pessoas todos os dias, de todos os tipos e valores. Já o lado ruim é que é impossível adivinhar aquelas que vão nos magoar.


Com o tempo, ela aprendeu a não confiar nas carinhas de anjo e nos que proclamam sua santidade. Já que as maiores decepções vieram dessas águas paradas, do não fede, mas também não cheira, daqueles que vivem sorrindo e são amigos de todo mundo. Acredite, não são.

Existiram dias em que ela pensou em jogar tudo fora, pensou em voltar e fazer tudo diferente, mudar aquilo que deu errado, mas o tempo não deixou.  Ela teve que escolher, porque ela sabia que um dia iria passar, que não existiam coisas tão importantes a ponto de lhe tirarem o sono pra sempre, que as coisas que se foram, deveriam ir, então ela decidiu não voltar. 

Por mais que doa, ela sabia que algumas coisas deveriam ficar onde ela deixou, pois qualquer coisa que realmente valesse a pena já estaria com ela.

Com Francieli Rech.

2 comentários:

  1. "pois qualquer coisa que realmente valesse a pena já estaria com ela."
    Adorei o texto !

    ResponderExcluir